Marque sua consulta
Atendimento 24 horas

Procure no site

A Clínica

A clínica CEO realiza uma média de 3.000 cirurgias ortopédicas e traumatologicas a cada ano. Possui especialistas renomados em todas as áreas da ortopedia. Está vinculada ao Instituto da Mão. Realiza seus procedimentos cirúrgicos no Complexo Hospitalar Santa Casa, Hospital Moinhos de Vento, Hospital Mãe de Deus e Hospital Divina Providência.

 
Joelho sofre com o abuso dos atletas PDF Imprimir E-mail

por Redação Tudo Bem
01.08.2006

Dentre todas as articulações do esqueleto humano, nenhuma é mais exigida no esporte do que o joelho. Pode ser futebol, vôlei, tênis ou até mesmo um inofensivo jogo de peteca no parque – se é preciso correr sobre duas pernas, é o joelho que carrega o corpo. Conseqüentemente, é ele também quem acaba sofrendo a maior parte das lesões. Afinal, qual é o atleta ou boleiro de fim de semana que nunca sentiu dores no joelho?

Exemplos não faltam. Talvez o mais drástico seja o do atacante Ronaldo, que rompeu completamente o tendão patelar durante uma arrancada em um jogo em 2000. E, assim como o Fenômeno, milhares de esportistas sem treinamento especializado e colocam seus joelhos em risco nos campos, quadras e tatames todos os dias.

“O esporte em geral é muito competitivo. Já vi lesões de menisco em garotos de 13 e 14 anos”, diz o médico Moisés Cohen, chefe do Centro de Traumatologia do Esporte da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “As pessoas sempre querem superar seus limites.”

Sem cuidados básicos, porém, o primeiro limite que acaba sendo rompido é o do joelho. A receita é simples: começa com aquecimento, alongamento e preparo físico adequados para cada atividade física. “Todo mundo sabe que tem que fazer, mas ninguém acha que é importante”, diz o ortopedista Dan Oizerovici, especialista em traumatologia esportiva do Hospital Albert Einstein.

O estudante Rodrigo Zanotti, 21 anos, sofreu os efeitos disso durante uma pelada com os amigos. Em um lance, pulou para dominar a bola e caiu com todo o peso do corpo sobre a perna esquerda. O joelho não agüentou, e o ligamento cruzado anterior (LCA) se partiu em dois. “Raramente fazia alongamento”, assume Zanotti.

Limite
O joelho é uma articulação complexa e pode ser lesionado de várias formas e em vários pontos: nos tendões, ligamentos, meniscos, cartilagem e até no próprio osso. Os traumas mais comuns são causados por excesso de carga – resultado do excesso de atividade ou da falta de preparo físico.

Ao contrário do cotovelo e do ombro, o joelho não tem nenhum mecanismo de “trava”. O fêmur e a tíbia estão “soltos” um sobre o outro, mantidos no lugar apenas pelos tendões e ligamentos.

“Na dúvida, o melhor é usar o bom senso – e, se possível, buscar orientação profissional”, avisa Cohen.”

Publicado originalmente no site do jornal Tudo Bem em 01/08/2006.

 

Rua Leopoldo Bier, 825 - Sala 301 - Santana - Porto Alegre/RS - Fones (51) 3023 6600 - 3217 2390
By IdeiaClic