Marque sua consulta
Atendimento 24 horas

Procure no site

A Clínica

A clínica CEO realiza uma média de 3.000 cirurgias ortopédicas e traumatologicas a cada ano. Possui especialistas renomados em todas as áreas da ortopedia. Está vinculada ao Instituto da Mão. Realiza seus procedimentos cirúrgicos no Complexo Hospitalar Santa Casa, Hospital Moinhos de Vento, Hospital Mãe de Deus e Hospital Divina Providência.

 
Lesão do Ligamento Cruzado Anterior PDF Imprimir E-mail

Imagem

Nosso objetivo é ajudá-lo a entender melhor o funcionamento do seu joelho assim como explicá-lo o que podemos ajudá-lo através da reconstrução do ligamento cruzado anterior do joelho (RLCA).

A dor no joelho é um sintoma extremamente freqüente. É uma articulação das mais complexas em termos de biomecânica, estando sempre sujeita a sofrer lesões, tanto traumáticas (acidentes e quedas) quanto degenerativas (desgaste, envelhecimento). A estrutura que fornece a estabilidade do joelho chama-se ligamento. Após uma lesão dos ligamentos o seu joelho pode dar sintomas como falseio (desloca do lugar) e dor, associado a derrame articular de repetição (inchaço). Sobre as lesçoes e posteriormente sobre seus tratamentos é que vamos conversar neste manual.

Como um joelho normal funciona?

O joelho é a maior articulação do corpo humano, e uma das mais facilmente lesionadas. Uma função próxima do normal é necessária para realizar atividades da vida diária.

É formado por duas articulações principais: a articulação entre a parte inferior do fêmur (osso da coxa) e a parte superior da tíbia (osso da perna) e a articulação fêmoro patelar que articula a patela (rótula) a uma grande área da porção anterior do fêmur distal. Quando andamos, os ossos do joelho deslizam e rolam entre si. São os músculos, a cápsula e os ligamentos que dão estabilidade a esta articulação. Os meniscos que são estruturas formadas por fibrocartilagem também ajudam na estabilidade da articulação, embora a sua principal função seja a de absorver os choques e impactos e distribuir a carga equivalente sobre a superfície articular. As superfícies onde o fêmur a tíbia e a patela se tocam são cobertas com cartilagem articular, um substância macia que recobre os ossos, permitindo-os deslizar livremente. Toda articulação é recoberta por um fino e macio tecido chamado membrana sinovial, a qual libera um líquido especial que lubrifica o joelho, reduzindo o atrito próxima a zero, em um joelho saudável. Normalmente todos estes componentes trabalham em harmonia. Desgaste ou lesões podem romper esta harmonia, resultando em dor, falseio, fraqueza muscular e consequente perda de função.

Ligamentos do joelho

A articulação do joelho contém 4 ligamentos que conectam o fêmur com a tíbia.  Dois destes são chamados de colaterais (medial e lateral), justamente porque ficam dos lados, sendo os outros dois localizados dentro do joelho cruzando diagonalmente a articulação. Estes são chamados de ligamentos cruzados. O ligamento cruzado posterior (LCP) conecta-se a parte posterior da tíbia estabilizando o joelho para trás, enquanto o ligamento cruzado anterior (LCA) conecta-se a parte anterior da tíbia, estabilizando o joelho para frente. Este tem também tem como função a de limitar a rotação do joelho de um lado para o outro. Essa rotação além do normal é que geralmente causa a sua lesão.

Iremos conversar sobre a lesão do Ligamento Cruzado Anterior (LCA). Esse é o principal estabilizador anterior do joelho e sem dúvida o ligamento mais lesado em atividades esportivas. Ela tira mais atletas do esporte que qualquer outra enfermidade. Nos EUA o este problema leva mais de 250 mil esportistas aos hospitais por ano.

O LCA rompe ao ser forçado além de sua capacidade elástica, geralmente por traumas rotacionais, sem contato com outros atletas. Quando isto ocorre, não ocorre cicatrização espontânea, o joelho fica solto.

Felizmente, 95% das pessoas que precisam recorrer à reconstrução do ligamento, voltam as suas atividades normais geralmente 6 a 8 meses após a cirurgia.

 

Imagem

Como o problema acontece?

O LCA costuma se romper quando a pessoa, em geral durante a prática desportiva, interrompe bruscamente um movimento. Como uma brecada, ela roda repentinamente o corpo ou muda de direção deixando o pé plantado no chão. Com o golpe, o joelho estica esse ligamento além do limite. Daí ocorre a ruptura. Saltar e aterrissar em um só pé também pode causar esse lesão. Na hora, o indivíduo sente e até ouve um estalo forte no joelho. A dor é grande e a articulação incha. Ao ficar de pé sobre a perna machucada, o joelho cede caracterizando a instabilidade.

Imagem

Sinais e sintomas

Sinais que você pode ser um candidato para esse procedimento incluem inchaço, dor persistente, bloqueio ou falseio e perda da confiança no seu joelho. Quando outro tratamento, como o uso regular de medicamentos, órteses de joelho ou fisioterapia oferecem mínima ou nenhuma melhora, você pode ser beneficiado pela artroscopia.

Exame Clínico

A lesão do ligamento cruzado anterior (LCA) geralmente ocorre por trauma rotacional. Com o pé apoiado no solo, a rotação se faz no fêmur – para dentro e perna para fora. O paciente refere dor intensa e incapacitante e derrame articular quase que imediato. Associa-se geralmente com estalido audível o qual é característico dessa lesão.

Os testes para frouxidão ligamentar são obrigatórios, lembrando que o índice de lesão meniscal associada a lesão ligamentar é muito comum, variando de 34% a 98% dos casos.

As manobras de Lachman e Gaveta anterior  costumam ser suficientes para, com a história clínica, firmar o diagnóstico das lesões do LCA.

Exames Complementares

A Ressonância Magnética é considerada na literatura internacional como o “padrão-ouro” do diagnóstico por imagem nas lesões do LCA.

 

Imagem

 

Diagnóstico

O diagnóstico é feito pelo ortopedista através do exame clínico. Existem manobras específicas que facilitam na identificação da lesão assim como na sua localização. Atualmente, o exame de Ressonância Magnética (RM) tornou-se bastante útil não só como método auxiliar para diagnóstico como também para nortear o tratamento, uma vez que permite avaliar o tipo e localização da lesão meniscal e a presença de outras lesões associadas (ligamentos, cartilagem,...).

Os tratamentos existentes

Não pergunte qual é o melhor forma de tratar as rupturas do Ligamento Cruzado Anterior. Vai depender de muitos fatores, dentre os quais a sua idade a extensão do dano e seu estilo de vida. Muito importante de ser levado em consideração é a sua disposição para trabalhar duro na reabilitação, fortalecendo o joelho após a cirurgia.

O tratamento da lesão aguda é sempre conservador. Este é iniciada através do uso de antinflamatórios, relaxantes musculares, gelo, repouso e manutenção do movimento do joelho assim que a dor permitir. Aos essa fase inicial é que devemos nos preocupar com o tratamento definitivo.

Dá para evitar a cirurgia?

Sim, se você decidir abrir mão de esportes que forcem os joelhos e conseguir realizar suas atividades cotidianas (dia a dia). Este definitivamente fica destinado para paciente de mais idade e menos ativos. É realizado por programas de reabilitação cujo objetivo é a estabilização dinâmica da articulação no intuito de não causar mais falseios durante as atividades. O uso de um aparelho ortopédico ( joelheira ) ainda é um assunto controverso.

Decidindo sobre a cirurgia

Seu cirurgião ortopédico analisará os resultados de seus exames e juntamente com você, discutirá se a artroscopia será o melhor método para o tratamento do seu joelho.

Todos os riscos da sua cirurgia serão explicados assim como possíveis complicações pós operatórias.

Preparando-se para a Cirurgia

Se a RLCA foi o método de escolha para o seu tratamento, pode-se pedir a você que faça uma revisão completa com seu médico clínico antes da cirurgia, para avaliar sua saúde e descartar quaisquer condições que poderiam interferir na sua cirurgia (avaliação pré operatória).

Informe ao seu médico ortopédico todas as medicações que você esteja tomando. Você será informado sobre qual medicação você deveria parar de tomar antes da cirurgia.

Exames de sangue e eletrocardiograma, podem ser pedidos pelo cirurgião ortopédico quando necessário.

O momento da cirurgia

Não há vantagem em ser operado imediatamente. Os resultados são comprovadamente melhores quando se espera o joelho desinchar, passando o período inicial de dor. Fisioterapia e exercícios são muito importantes nessa fase para evitar atrofia muscular. Tentativas de suturas (costura) das duas pontas do ligamento rompido não são bem-sucedidas. Geralmente o período aguardado entre a lesão e a cirurgia varia de 4 a 6 semanas, podendo ser maior dependendo das atividades pessoais de cada paciente. É considerada uma cirurgia eletiva (sem urgência). O ideal é não aguardar mais de 3 meses pois nesse período outras estruturas do joelho farão a função estabilizadora da articulação podendo também serem lesadas (meniscos principalmente).

A Reconstrução do LCA (RLCA)

Todas as cirurgias de RLCA devem ser realizadas durante uma internação hospitalar que geralmente dura 48 horas. Uma secretária lhe informará todos os detalhes específicos da sua cirurgia como horário de sua chegada ao hospital e demais dúvidas que persistam.

A RLCA pode ser realizada com anestesia regional ou geral. Mesmo nas anestesias regionais você pode optar por dormir durante a cirurgia. Os anestesistas ajudarão você a determinar qual será a melhor para você. Se você receber anestesia regional, você poderá assistir à cirurgia pela tela da TV, evidentemente se você quiser.

O LCA é reconstruído com um enxerto de um tendão retirado do próprio joelho do paciente. Atualmente temos duas opções de enxerto principais. Uma usando o tendão patelar (que liga a rótula à tíbia). Ele é retirado por meio de cortes mínimos no joelho, com uma pequena porção de osso nas pontas. Então uma perfuração é feita através da tíbia até o fêmur, seguindo o mesmo caminho do ligamento rompido. O enxerto é colocado neste espaço, com os ossos nas pontas sendo ligados ao fêmur e a tíbia, com pinos e parafusos. A outra opção é através da retirada do tendão de dois músculos que passam medialmente no joelho (semitendíneo e grácil). Nessa técnica os tendões também são fixados no osso por pinos e parafusos. A decisão entre as duas técnicas é feita em conjunto pelo médico com o paciente. Há vantagens e desvantagens a serem discutidas.

O procedimento é realizado por vídeo com exceção da retirada do enxerto que necessita de pequenos cortes.

Após a reconstrução, a pessoa precisa fazer fisioterapia por um período de 6 a 8 meses, antes de retornar completamente as atividades normais.

Na conclusão da cirurgia, o cirurgião fecha as incisões, manté um dreno dentro da articulação com o objetivo de não deixar acumular sangue. Esse será mantido por um período de 24 horas.

Você será encaminhado a uma sala de recuperação anestésica. Após recuperar a mobilidade das pernas você estará apto a ir para o seu quarto. O período de internação dura cerca de 48 horas. A fisioterapia deve ser iniciada já durante a internação.

Imagem

 

 

Sequencia de passos da cirurgia

Imagem

Sua Recuperação em Casa

A recuperação da RLCA do joelho é muito criteriosa. É muito importante seguir cuidadosamente as orientações do seu médico após seu retorno para casa.

Cuidados: você sairá do hospital somente com um curativo no seu joelho. Você poderá removê-lo no dia seguinte, mantendo limpo somente com soro fisiológico. Você pode tomar banho, mas deve evitar água diretamente sobre as incisões. Mantenha suas incisões limpas e secas.

Seu médico verá você em seu consultório em alguns dias depois da cirurgia para verificar seu progresso, revisando os achados cirúrgicos e avaliando o programa pós-operatório de reabilitação.

Inchaço (edema): eleve sua perna o máximo possível pelos primeiros dias depois da cirurgia. Aplique gelo 3 a 4 vezes ao dia durante meia hora. Proteja a pele com um tecido fino para que o gelo não queime a sua pele.

Apoio: você está apto a caminhar inicialmente com o auxílio de duas muletas. Essas poderão ser removidas após a primeira reconsulta. Você pode gradualmente começar a colocar seu peso sobre sua perna à medida que seu desconforto permita e assim que você recupere a força do seu joelho. Você está permitido a dirigir assim que suas habilidades lhe permitam.

Exercícios de Fortalecimento do seu Joelho: você deverá exercitar seu joelho regularmente por várias semanas após a cirurgia para fortalecer os músculos de sua perna e joelho. Um fisioterapeuta pode ajudá-lo com o programa de exercícios se o seu médico recomendar.

Medicações: Seu médico pode prescrever medicação analgésica para ajudar a aliviar desconforto decorrente da cirurgia.

Complicações: problemas do joelho incluem acúmulo de líquido ou sangue em seu joelho. Isto ocorre raramente e são mínimas e tratáveis.

SINAIS DE ALERTA

Chame seu cirurgião ortopedista imediatamente se você sentir algo do que se segue:

  • Febre
  • Persistente calor ou rubor (vermelhidão) na volta do seu joelho
  • Persistente ou crescente dor
  • Inchaço significante em seu joelho
  • Dor crescente em seu músculo da panturrilha
  • Diminuição da respiração ou dor no peito

Expectativas após a Cirurgia de RLCA

Apesar de ser uma cirurgia de médio porte, você pode ter algumas limitações nas atividades diárias. O resultado de sua cirurgia frequentemente será determinado pelo grau de lesão encontrado em seu joelho. Por exemplo, se você machucou seu joelho em corrida e a cartilagem articular na porção de descarga de peso do seu joelho foi lesionada, então talvez a recuperação não possa ser total. Você pode ser aconselhado a procurar uma nova alternativa de exercício de baixo-impacto. Um atleta profissional frequentemente possue a mesma lesão de um atleta de fim-de-semana, mas o potencial para recuperação pode ser melhorada por um super-desenvolvimento dos músculos e um trabalho de reabilitação mais potente. Exercícios físicos e reabilitação farão um importante papel no resultado final. Um programa formal de fisioterapia adicionará em muito a sua recuperação.

Um retorno à atividade física intensa deve ser feito sob orientação do seu cirurgião.

É razoável esperar que em 6 a 8 meses você será capaz de ingressar na maioria de suas atividades físicas na medida em que elas não envolvam sobrecarga de impacto significante. Manobras em rotação podem ser proibidas por mais tempo.

Se o seu trabalho envolve trabalho pesado, como trabalhar em construção ou subindo e descendo escadas, você pode necessitar mais tempo para retornar ao trabalho que se você tivesse um trabalho sedentário.

Imagem

 

 

 

Rua Leopoldo Bier, 825 - Sala 301 - Santana - Porto Alegre/RS - Fones (51) 3023 6600 - 3217 2390
By IdeiaClic