Marque sua consulta
Atendimento 24 horas

Procure no site

A Clínica

A clínica CEO realiza uma média de 3.000 cirurgias ortopédicas e traumatologicas a cada ano. Possui especialistas renomados em todas as áreas da ortopedia. Está vinculada ao Instituto da Mão. Realiza seus procedimentos cirúrgicos no Complexo Hospitalar Santa Casa, Hospital Moinhos de Vento, Hospital Mãe de Deus e Hospital Divina Providência.

 
Lesão Muscular Quadriceps PDF Imprimir E-mail

A musculatura do quadríceps é formada por quatro músculos distintos. Estes compartilham a mesma inervação e o mesmo tendão de inserção. Esse grupamento é responsável pela extensão do joelho. São eles: reto femoral, vasto medial, vasto lateral e vasto intermediário. Alguns autores mencionam outros músculos que compõem o quadríceps, entre eles, o vasto medial oblíquo, porém, sem envolvimento com o fenômeno do estiramento ou lesão. O vasto medial oblíquo é o principal estabilizador da patela.

MECANISMO DE LESÃO

  • Súbita contração do músculo quadríceps, com o quadril inicialmente estendido;
  • Alongamento excessivo do quadríceps com o quadril em extensão e o joelho fletido (chute);
  • Encurtamento do quadríceps;
  • Desequilíbrio entre os músculos que compõem o quadríceps;
  • Discrepância no comprimento de membros inferiores.

SINTOMATOLOGIA

Lesão grau I: O atleta/desportista pode apresentar tensão na parte anterior da coxa. Ciclo da marcha normal, fadiga e, sensação de tensão na coxa. Presença ou não de edema, com leve desconforto à palpação.

Lesão grau II: Ciclo da marcha anormal, dor súbita e descendente ao longo do reto femoral, edema observável e, dor à palpação. São observadas também alterações na musculatura. Extensão resistida de joelho é dolorosa.

Lesão grau III: Incapacidade funcional para marcha, dor severa e, alteração visível do quadríceps. Pode apresentar um “gap”, que se observa por um “buraco” na musculatura. Dor severa à palpação, edema aparece no momento da lesão(em geral). Incapacidade de extensão do joelho.

TRATAMENTO

Lesão grau I: Gelo, compressão, exercícios isométricos e movimentação ativa imediatamente. Exercícios de fortalecimento progressivos e com resistência devem ser iniciados entre o 1° e o 2º dia da lesão. Alongamento indolor para o quadríceps. A compressão deve ser intermitente até que a dor cesse por completo. Trabalho funcional e proprioceptivo é importante.

Lesão grau II: Gelo e compressão por 24h. Muletas devem ser mantidas por um período de 3 a 5 dias, dependendo da evolução da lesão. Na fase aguda TENS como analgesia. Na fase crônica, ultra-som como regenerador tecidual e, laser como cicatrizante são recursos benéficos ao atleta/desportista. O objetivo é reduzir o edema, controlar o processo inflamatório e a dor, promovendo assim, aumento na amplitude do movimento. Aproximadamente no 3º dia, o atleta se não estiver apresentando dor, os exercícios isométricos podem ser incluídos, além dos exercícios ativos para ganho da amplitude de movimento. Observar a progressão do exercício e a resistência a ser incluída. O gelo deve ser aplicado sempre antes das sessões de tratamento e, após 4º e 7º dia aproximadamente, o calor pode ser incluído antes das sessões. Exercícios de fortalecimento do quadríceps devem perdurar do 7º ao 14º dia, progredindo em seqüência sem dor. Natação e bicicleta ergométrica são bons recursos na recuperação funcional do atleta/desportista. Os exercícios de alongamentos passivos devem ser evitados antes do 7º dia. Trabalho funcional e proprioceptivo ao longo do tratamento é extremamente importante, visando readquirir controle sensório-motor do movimento.

Lesão grau III: Deve-se usar inicialmente, muletas entre 7 e 14 dias. Gelo, compressão, elevação, modalidades da eletrotermofototerapia, devem ser mantidos até que o atleta/desportista apresente amplitude de movimento total e indolor. Quando então, pode-se iniciar com exercícios isométricos para o quadríceps. Também podemos incluir exercícios ativos para ganho de amplitude de movimento, preocupando-se em evitar o excesso de alongamento do quadríceps. Notar o uso de gelo como pré-cinético para os exercícios cinesioterapêuticos. Usa-se o calor, quando o atleta/desportista estiver com boa angulação de movimento ativo. Trabalho de fortalecimento dentro da água, bem como, bicicleta ergométrica, podem ser incluídos nesta etapa do programa, devendo-se observar a altura do selim, adaptada para acomodar a amplitude de movimento disponível. Exercícios de fortalecimento muscular para o quadríceps devem ser incluídos a partir da terceira semana, observando-se: progressão, resistência e nível de dor. Até a quarta semana, espera-se que o atleta /desportista tenha apresentado amplitude total de movimento, sendo assim, pode-se iniciar com exercícios de alongamentos. Importante lembrar que o trabalho funcional proprioceptivo é extremamente importante.

RETORNO DAS ATIVIDADES

Lesão grau I: O atleta/desportista deve ser acompanhado e observado, iniciando-se imediatamente os exercícios de fortalecimento. Em princípio pode continuar participando de treinos e competições, a partir de avaliação criteriosa que determine segurança para realização da mesma.

Lesão grau II: Em princípio o atleta / desportista deve ficar afastado das atividades por um período entre: 7 a 21 dias. Fato que não impede a realização de trabalhos funcionais específicos, penas se for o caso das atividades competitivas, só retornando quando todas as propriedades estruturais e funcionais da musculatura estiverem restauradas.

Lesão grau III: O atleta / desportista pode ficar afastado por um período que corresponde 3 a 12 semanas. Neste período todo o trabalho relatado anteriormente, deve ser executado, observando a progressão e intensidade do esforço. Dependendo da gravidade da lesão a intervenção cirúrgica pode ser considerada. Atualmente, a terapia com fator de crescimento, é um recurso que se apresenta de vanguarda para lesões deste grau. Por enquanto, ainda carece de estudos complementares. Entretanto, resultados preliminares apresentados, dão conta de sucesso e retorno rápido do atleta/desportista às suas atividades desportivas.

Fonte: http://www.cartaovermelho.com.br/modules.php?op=modload&name=Sections&file=index&req=viewarticle&artid=511&page=1

 

 

Rua Leopoldo Bier, 825 - Sala 301 - Santana - Porto Alegre/RS - Fones (51) 3023 6600 - 3217 2390
By IdeiaClic